3 de agosto de 2021

Sem negociação, professores continuam movimento grevista em São Luís

 Sem negociação, professores continuam movimento grevista em São Luís

Foto: Divulgação / Sindeducação

Foto: Divulgação / Sindeducação

A greve dos professores do município de São Luís entrou para o décimo dia e nenhuma negociação foi realizada com a Prefeitura. O assuntou ganhou grande repercussão na Câmara Municipal nesta semana. A categoria reivindica reajuste salarial 7,64%, além da melhoria da infraestrutura das escolas e construção de creches.

A Justiça determinou à volta dos professores à sala de aula por entender que a Educação é um serviço essencial e não pode ser paralisado, mas o movimento não foi declarado ilegal ou abusivo. Ação foi realizada pelo desembargador Ricardo Duailibe, que determinou multa de R$ 100.000,00 em caso de descumprindo da decisão.

Segundo o assessor jurídico do Sindicato dos Profissionais do Ensino Público Municipal de São Luís – Sindeducação, Antônio Carlos Araújo, a decisão do desembargador  Ricardo Duailibe será revista, porque o município protocolou dois processos iguais junto ao Tribunal de Justiça do Maranhão, pedindo o fim da greve, situação que ocasiona a extinção obrigatória do segundo processo – a chamada litispendência. Foi justamente no segundo processo que houve a determinação do fim da greve. Se o processo for extinto, a decisão perderá a validade.

Por meio de nota, Secretaria Municipal de Educação (Semed) informou que mantém diálogo permanente com os professores para atendimento das demandas, a fim de evitar prejuízo aos estudantes. A Semed ressalta ainda que concedeu reajuste de 39,08% no acumulado dos últimos quatro anos de gestão para os professores da rede municipal e que já concedeu mais de 12 mil direitos estatutários para a categoria, entre esses titulações e gratificações, como parte da política de valorização dos profissionais do magistério.

Sobre as escolas, a secretaria esclareceu que aproximadamente 60 unidades de ensino do município já foram reformadas, e que outras escolas recebem serviços atualmente, tendo a meta de encerrar o ano com 120 escolas completamente recuperadas.

Na Câmara Municipal, o presidente da Comissão de Educação da Casa, vereador Marquinhos (DEM), sugeriu que a Prefeitura, o sindicado e o próprio Legislativo façam uma reunião para por fim no movimento grevista dos professores.

Vereador Marquinhos. Foto: Reprodução / Rádio Notícia Maranhão

O vereador Estevão Aragão (PSB), que faz parte do bloco de oposição da Câmara, declarou que é a favor da continuidade da greve porque essa é a primeira vez em 10 anos que a prefeitura não sinaliza o pagamento, sem contar às dificuldades que os educadores enfrentam quando dão aula.

Vereador Estevão Aragão Foto: Reprodução / Rádio Notícia Maranhão

Outras decisões a respeito da paralisação serão tomadas, mas desta vez pelo desembargador Marcelino Everton, que deve julgar todas as ações ajuizadas para discutir a greve dos professores. Até lá, os servidores do magistério permanecem em greve, com 60% da categoria paralisada.

0 Reviews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *